Ideias de Negócios Inovadores: Como Ter e Testar Idéias que Funcionam

por | 3 mar 2020

Por Natália Pauletto Fragalle e Paulo Ricardo Souza da Silva

Você tem muitas ideias de Negócios, gostaria de empreender mas não sabe por onde começar? Não consegue perceber se suas ideias de negócios realmente podem fazer a diferença na vida das pessoas no futuro? Tem uma ideia mas não sabe se ela vai funcionar?

Confira nosso artigo sobre idéias de negócios inovadores e entenda como pensar, desenvolver, testar e aprender com suas ideias.

O que é um Negócio Inovador 

Para muitas empresas, o processo de inovação se concentra em ter boas ideias, juntar várias pessoas em reuniões de brainstorming para “pensar fora da caixa”, pensar em algo empolgante ou muito legal. 

Essas atitudes são disseminadas dentro da própria empresa, através de grandes apresentações e pitches de venda, movimentando áreas e novos investimentos.

Há dois problemas em investir esforços em inovação: a falta de um processo de execução claro e uma validação do mercado.

Antes de qualquer coisa, é preciso imaginar como a ideia de negócio inovador irá funcionar de uma maneira bem direta, como a empresa se organizará para evoluí-la e, principalmente,como será a interação dos clientes com ela.

Outra questão é não ter dados ou uma validação do mercado que indiquem factualmente qual ideia atende a uma necessidade real.

Não adianta nada ter uma boa ideia que não resolve nenhum problema ou não entrega valor a ninguém.

Um negócio inovador, portanto, é composto por uma hipótese de negócio que solucione um problema inexistente ou que hoje é atendido de maneira insatisfatória, um roadmap de execução claro e métricas que possam comprovar o seu valor ao usuário. 

Como Ter Ideias de Negócios Inovadores 

Para que se possa pensar em negócios inovadores, é preciso primeiro conhecer as pessoas e os seus problemas e necessidades reais. 

Mais do que conversar com usuários e clientes, é preciso analisar e observar seu comportamento. Existe uma frase muito conhecida de Henry Ford, que disse “seu eu tivesse perguntado às pessoas o que elas queriam, elas teriam dito ‘cavalos mais rápidos’”.

Isso mostra que uma ideia inovadora não está ligada aos desejos das pessoas, mas sim às suas necessidades e ao modo como elas são atendidas atualmente. 

No ONOVOLAB, desenvolvemos alguns fatores – que chamamos de fits – que fazem parte da nossa metodologia exclusiva e ajudam quem quer inovar a entender se as suas ideias de fato entregam mais valor aos usuários do que as soluções atuais. 

Os fits desenvolvidos pelo ONOVOLAB.

O primeiro deles é a própria necessidade. A sua ideia atende de fato a necessidade de alguém? Como essa necessidade é atendida hoje? Existe alguma necessidade humana hoje que não é atendida por algum produto ou serviço?

O segundo fit é a conveniência. A sua ideia atende a necessidade de alguém de forma mais conveniente do que a forma como ela é atendida hoje? Ela tornará determinada atividade mais simples ou mais cômoda?

Em terceiro lugar, há a influência. A sua ideia torna alguém mais influente? Melhora a reputação do seu usuário? Traz mais credibilidade a ele?

Finalmente, o quarto fit é o de indulgência. O cliente experimentará a sua solução e terá aquela sensação de “eu investi nesse produto porque eu mereço ter essa experiência”?

Negócios inovadores de sucesso conhecidos pelo público atendem a pelo menos dois desses fits. 

O Nubank, fintech brasileira presente na lista internacional das startups que se tornaram unicórnios entre 2018 e 2019, atende ao fit de conveniência, por ser um banco totalmente digital, com comunicação direta e pouca burocracia.

Também atende ao fit de influência, por trabalhar a sua marca de forma extremamente atrativa, fazendo com que todos queiram fazer parte dela; e de indulgência, pelo foco no atendimento ao cliente de forma personalizada e rápida.

O welcome kit do cliente Nubank. Fonte: Dribbble Nubank.

Já o iFood, empresa líder no setor de foodtechs na América Latina, atende ao fit de necessidade, por estar ligada à alimentação, de conveniência, por ser um serviço de entrega e de indulgência, por substituir a atividade de preparar uma refeição, o que pode ser oneroso para muitos usuários. 

Publicidade do iFood, focada em conveniência.

Inovação não é Pensar fora da caixa

A expressão “pensar fora caixa” é comumente usada quando uma empresa se encontra em uma situação na qual possui muitos problemas ou está buscando criar algo novo para ser oferecido no mercado. 

Pessoas “importantes” são reunidas em uma sala e, em algumas horas de discussões, elas são estimuladas a pensarem de uma maneira diferente dos processos e rituais que estão acostumadas a seguir no dia a dia.
Esse processo, entretanto, pode mais atrapalhar do que ajudar.

Isso porque todo mundo tende a pensar em ideias que beneficiem a sua própria área, sem necessariamente levar em conta o processo de execução e crescimento das mesmas.

O processo de ideação e construção das soluções deve ser, portanto, o mais estruturado possível, para que todos tenham a oportunidade de dar suas ideias, haja uma priorização sem viés e experimentos de validação sejam organizados, para aprender rapidamente se esse é o caminho correto.

Faça Design Sprints Para Chegar a Soluções Práticas 

Um exemplo de processo de ideação estruturado e colaborativo, que pode levar ao desenvolvimento de ideias promissoras já testadas e validadas com usuários reais em pouquíssimo tempo é a Design Sprint.

Essa metodologia tem como objetivo reunir uma equipe multidisciplinar de pessoas para entender e resolver grandes desafios em apenas cinco dias em uma sequência de atividades que buscam:

  • entender o desafio a ser encarado;
  • construir uma ideia solução de forma colaborativa;
  • medir a sua eficácia através de testes com os usuários reais;
  • aprender com os feedbacks coletados.

Através da Design Sprint é possível descobrir de maneira ágil se a ideia que se pretende desenvolver para solucionar um problema e atingir um objetivo a longo prazo é válida. 

Essa ideia poderá ser iterada para se transformar em um produto mínimo viável a ser lançado no mercado, mas principalmente servirá como um meio para que ações de maior impacto e menor esforço possam se concretizar rapidamente. 

Atualmente, a Design Sprint tem sido utilizada como ferramenta de validação de hipóteses de solução de problemas em pequenas e grandes empresas. 

Design Sprint realizada em fevereiro de 2020 com a empresa Diferen/TI.

Se você quer aprender mais sobre quais são os passos e atividades da Design Sprint, bem como cases de empresas que utilizaram a metodologia para validar ideias, confira nosso artigo sobre a Design Sprint ONOVOLAB e sobre um case de sucesso com a Cervejaria Ambev.

Fuja do Óbvio

Quando se fala em desenvolvimento de produtos, o mais “óbvio” é passar muito tempo criando e desenvolvendo o produto ou serviço “perfeito”, a ser lançado de forma completa no mercado. 

Isso é combinado ainda a uma estrutura organizacional presente em muitas empresas conhecida como “cascata”, ou seja, todas as ideias e aprovações dependem diretamente da alta direção para avançarem. 

Esse modelo, apesar de comum, não é viável quando se fala em construir um negócio inovador e de sucesso.

O processo de inovação requer velocidade, o que inclui o desenvolvimento de versões iniciais mínimas de produtos ou serviços, que possuem apenas aquilo que é essencial para a entrega de valor para o cliente. 

O modo “cascata” de trabalho em comparação com um modelo de trabalho que busca gerar aprendizados mais rápidos.

Esse é o modo como as startups trabalham: de forma enxuta, percorrendo o ciclo Construir-Medir-Aprender com a maior velocidade possível para que seja evitado o maior desperdício de todos: criar um produto que não resolve os problemas das pessoas. 

Dessa maneira é mais fácil não somente saber se o projeto está indo no caminho certo, mas também ter a oportunidade de coletar feedbacks de melhorias.

Conclusão 

Ter uma ideia de negócio inovador envolve, portanto, muito mais do que apenas pensar fora da caixa, perguntar aos clientes o que eles querem ou fazer sessões de brainstorming intermináveis. 

É preciso conhecer muito bem seu público alvo, identificar as suas necessidades e o modo como elas são atendidas atualmente e ter um processo de ideação estruturado, focado principalmente em testar ideias e aprender mais sobre elas rapidamente.

Precisa de ajuda para pensar em ideias de negócios inovadores ligadas a experiências de futuros irresistíveis? O ONOVOLAB pode te ajudar a tirar suas ideias do papel e construir o amanhã muito melhor do que o hoje!

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *