o que é uma fintech

Como cliente de bancos e outras instituições financeiras, se você ainda não usou os serviços de uma fintech, é provável que experimente em breve.

Essa previsão é possível porque esse tipo de empresa oferece vantagens que tornam o modelo anterior obsoleto.

A mudança acontece a tal ponto que não faz sentido se apegar à tradição, já que a experiência proporcionada pelo novo é melhor.

Neste artigo, vamos explicar o que são as fintechs, quais vantagens que proporcionam e como elas promovem a inovação.

Apresentaremos também fintechs brasileiras e internacionais.

Boa leitura!

O que é uma Fintech?

Fintech é uma empresa que utiliza soluções tecnológicas para inovar em algum serviço da área financeira, tornando-o mais atrativo para o cliente. O próprio nome já entrega o significado, pois fin vem de financial (financeiro) e tech vem de technology (tecnologia).

Essa nomenclatura tem se tornado comum para categorizar startups conforme a área em que atuam.

São exemplos as edtechs (educação), as HR techs (recursos humanos), as agritechs (agronegócio), as adtechs (publicidade), as healthtechs (saúde) e as lawtechs (direito), entre outras.

O uso da tecnologia em uma fintech (saiba mais no tópico “Como as Fintechs Inovam”) não se dá apenas para a empresa parecer moderna, na verdade isso acontece porque agrega valor ao cliente, permitindo oferecer a ele condições mais vantajosas, além de uma experiência de uso do serviço muito superior.

Vantagens das fintechs

Quais são, afinal, as vantagens que o serviço de uma fintech oferece na comparação com uma empresa tradicional do mercado bancário ou financeiro?

É o que procuramos responder nos tópicos abaixo.

Tecnologias Inovadoras

Uma fintech, geralmente, conta com programadores de ponta, designers de UX e UI, cientistas de dados e vários outros profissionais especialistas em novas tecnologias.

Isso permite desenvolver sistemas, sites e aplicativos inteligentes e fáceis de usar, que transformam positivamente a experiência do usuário.

Em alguns casos, a tecnologia possibilita uma inovação disruptiva, ou seja, quando dá origem a um novo hábito entre a população – pagar contas e fazer transferências pelo celular em vez de ir pessoalmente ao banco é um exemplo.

Além de melhorar a experiência do usuário, tecnologias como os algoritmos de inteligência artificial diminuem as chances de erros e tornam possível reduzir custos, o que nos leva à vantagem seguinte. 

Baixo Custo ao Consumidor

A automação e inteligência artificial nos serviços torna o trabalho mais eficiente, pois as máquinas são capazes de processar uma quantidade muito maior de informações do que os humanos, e com menor possibilidade de falha.

Essa realidade diminui consideravelmente os custos administrativos de uma empresa e aumenta a sua escalabilidade, que é a capacidade de atender a uma demanda maior de clientes sem necessitar de um aumento proporcional na estrutura.

Desse modo, a fintech consegue atender mais pessoas sem elevar as despesas, lucrando pelo volume e conseguindo oferecer aos clientes taxas de serviço muito menores do que as instituições bancárias tradicionais.

Controle sobre as Operações

Taxas, tarifas, anuidade, juros, liquidez… 

Finanças é um universo que a maioria dos clientes não domina. Por isso, muitas pessoas concordam em terceirizar o controle sobre as suas operações e investimentos aos bancos.

Essa realidade tem mudado, primeiro com a difusão da informação em inúmeros sites e blogs especializados.

E também porque as fintechs costumam ter a transparência como um de seus valores fundamentais, porque o foco é sempre voltado à satisfação do usuário.

É por isso que o cliente de uma startup financeira tem mais controle sobre o uso de seu dinheiro e sobre os serviços contratados. A relação entre ele e a fintech é muito mais horizontal.

Menos Burocracia

A burocracia excessiva é um dos grandes problemas do serviço oferecido por bancos, seguradoras e outras companhias do setor financeiro.

Para se tornar cliente, em geral, é preciso preencher formulários extensos, apresentar comprovantes diversos e comparecer fisicamente a uma agência. Depois, ainda é necessário aguardar dias para a aprovação. São etapas que consomem tempo e a paciência dos consumidores – outro problema que é praticamente eliminado com as fintechs.

Graças à tecnologia e aos sistemas informatizados, os processos nas startups financeiras são todos digitais e bastante ágeis.

Característica comum nessas empresas é a excelência no atendimento ao cliente, com canais digitais eficientes, que permitem ao usuário resolver seu problema sem entrar em um labirinto telefônico e perder incontáveis minutos esperando para ser atendido.

Tipos de Fintechs

Podemos dividir as fintechs em várias categorias, de acordo com o tipo de serviço que elas prestam. 

Confira, agora, quais são as principais.

Seguros

O setor de seguros tem relação direta com o bancário e financeiro, mas também muitas particularidades.

Por isso, as startups dessa área podem até integrar um grupo distinto de empresas tecnológicas.

São as chamadas insurtechs, já que insurance, em inglês, significa seguro.

É um serviço que vários bancos e instituições financeiras oferecem a seus clientes, com uma burocracia geralmente elevada.

Além da grande transparência e burocracia muito menor, com as insurtechs torna-se possível obter seguros (de vida, imobiliário, de veículo, para viagem, etc.) com condições muito mais acessíveis e, o melhor de tudo, personalizados de acordo com a sua necessidade.

Afinal, com a inteligência artificial, é possível segmentar o produto sem precisar aumentar a equipe humana de atendimento.

Blockchain e Bitcoin

Blockchain é uma tecnologia na qual todas as transações de um determinado sistema são registradas digitalmente, em uma plataforma criptografada, imutável e não centralizada.

O nome é esse porque o armazenamento do histórico das transações é feito em uma cadeia de blocos (blockchain, em inglês), que é organizada como se fosse uma série de engrenagens que funcionam com a validação de todas as partes integrantes.

O bitcoin é uma criptomoeda que surgiu com o objetivo de substituir os meios tradicionais (através de bancos) de circulação de dinheiro, mas hoje é usada como investimento, por conta de sua valorização ao longo dos anos.

As fintechs dessa categoria oferecem plataformas para a compra, venda e armazenamento de bitcoins.

Eficiência Financeira

A razão da burocracia excessiva nas empresas tradicionais do setor financeiro é óbvia: os sistemas são alvo recorrente de tentativas de golpes e fraudes, o que demanda cuidado extra com a segurança das transações.

As fintechs de eficiência financeira desenvolvem soluções tecnológicas que tornam a verificação de identidade mais rápida e, ao mesmo tempo mais segura.

É o cenário perfeito, pois traz maior proteção para as empresas e clientes ao mesmo tempo em que desburocratiza e agiliza o serviço.

Crowdfunding

As plataformas de crowdfunding entram como uma categoria de fintech porque ajudam a financiar projetos, eliminando a necessidade de recorrer a empréstimos bancários.

O modelo mais conhecido é aquele em que uma pessoa (ou grupo de pessoas) divulga sua ideia, os usuários da plataforma interessados em vê-la se tornar realidade investem uma quantia e, posteriormente recebem uma contrapartida caso o mínimo necessário seja arrecadado.

fintechs: solucionando problemas do sistema financeiro com tecnologia e inovação

Além desse modelo de “vaquinha virtual”, há também plataformas desenvolvidas especialmente para intermediar o contato entre empreendedores e investidores, que podem comprar uma participação futura na empresa.

Gestão Financeira

São empresas que desenvolvem plataformas que ajudam os usuários a conduzirem a gestão de suas finanças, independentemente de onde os recursos estão investidos.

Por exemplo, um aplicativo para smartphone em que é possível registrar todos os gastos e obter relatórios indicando em quais categorias estão as maiores despesas, dicas de oportunidades para economizar e de uso eficiente do cartão de crédito.

Há também, claro, fintechs que desenvolvem serviços de gestão financeira especiais para empresas, permitindo um controle inteligente de fluxo de caixa, folha de pagamento e gestão fiscal e tributária, por exemplo.

Pagamentos

Quando o acesso à internet começou a se popularizar, os usuários ainda tinham muito medo de fazer compras online. Hoje é difícil encontrar uma pessoa que nunca tenha feito uma compra pela internet.

As fintechs de pagamentos são um componente importante nesse contexto, pois descomplicam o processo de compra e venda com plataformas digitais.

Nesse caso, trazem importantes vantagens não apenas para o cliente, mas também para os pequenos empresários, pois torna mais fácil a comercialização dos seus produtos na web.

Há também empresas que oferecem máquinas de leitura de cartão de débito e crédito e que também podem ser consideradas fintechs, afinal, apesar de trabalharem com um produto físico, desenvolvem a tecnologia de hardware e software.

Investimentos

A popularidade das fintechs de investimento têm crescido substancialmente nos últimos anos no país, acompanhando o ritmo da maior consciência do brasileiro sobre as possibilidades de investimentos.

Elas desenvolvem plataformas com as quais o usuário pode gerir seus investimentos, aplicando, resgatando e acompanhando a evolução dos rendimentos.

Tudo isso de forma rápida, virtual e transparente, permitindo aos brasileiros obter um retorno muito maior do que aquele oferecido pela tradicional poupança.

Empréstimos e Negociação de Dívidas

As empresas que usam tecnologia para facilitar empréstimos e a negociação de dívidas não funcionam como os bancos – afinal, as fintechs não têm autorização do Banco Central para emprestar dinheiro.

Em vez disso, desenvolvem plataformas que conectam a pessoa que precisa de dinheiro (geralmente microfinanciamento) às instituições bancárias e financeiras.

Há também as empresas que desenvolvem soluções de negociação de dívidas que ajudam o cliente a quitar os débitos que possui de empréstimos ou outros tipos de compromissos financeiros.

Fintechs Brasileiras de Sucesso

O Brasil tem um mercado com grande potencial para as fintechs, e vários empreendedores estão explorando essa oportunidade com sucesso.

A seguir, vamos falar um pouco sobre algumas das principais empresas brasileiras dessa categoria.

Você talvez use seus serviços, mas não sabia até então que se tratava de uma fintech.

Nubank

É o mais bem-sucedido exemplo de fintech do Brasil. 

O Nubank criou um modelo de negócios que oferece cartão de crédito isento de tarifa, controlado por meio de um aplicativo para smartphones.

No app, é possível conferir as transações, emitir um cartão virtual, acessar o atendimento, pedir o bloqueio do cartão, solicitar o aumento do limite, entre outras funcionalidades.

nubank: exemplo de fintech que começou como startup

A interface do aplicativo do Nubank. Fonte: Blog Nubank.

Com o sucesso, a empresa expandiu e hoje oferece também conta corrente livre de mensalidade (e de taxas sobre transferências) e opção de pagamentos no débito com o cartão.

Recentemente, passou a trabalhar a oferta de empréstimo pessoal com taxas diferenciadas.

Guiabolso

Guiabolso é um aplicativo de gestão financeira cuja grande sacada é a possibilidade de sincronizar com o aplicativo do seu banco.

Assim, digamos que você janta em um restaurante e paga a conta com seu cartão de débito. O Guiabolso recebe essa informação do app do banco e registra no banco de dados do usuário, que poderá conferir saldo, histórico de transações, relatórios e dicas para economizar ou aplicar o dinheiro.

Seu sucesso representou uma mudança de paradigma no mercado brasileiro, pois a empresa conseguiu superar a tradicional desconfiança ao solicitar acesso a dados bancários.

Banco Inter

É o primeiro banco totalmente digital do Brasil. Lançou, em 2014, a conta digital livre de taxas – na época, uma grande novidade no país.

A partir de então, a necessidade de ir a uma agência bancária para qualquer finalidade começou a se tornar coisa do passado.

Atualmente, o banco integra o Grupo Inter, que conta com uma plataforma de investimentos (Inter DTVM) e uma corretora de seguros (Inter Seguros).

Fintechs Mundiais

É claro que não é apenas no Brasil que as fintechs estão em alta. E, em outros cantos do mundo, algumas delas já se destacam há bastante tempo. 

Confira alguns exemplos:

PayPal

Talvez a mais conhecida fintech do mundo, a PayPal é uma empresa de pagamentos e transferência de dinheiro.

fintech paypal: exemplo mundial e inovador
O app da Paypal. Fonte: Paypal.

Ela se diferenciou no mercado por agilizar as transações online, tendo grande responsabilidade no crescimento do comércio eletrônico mundial.

TransferWise

Fundado no Reino Unido por empreendedores estonianos, o TransferWise é uma plataforma que torna mais barata a transferência de dinheiro entre países.

Isso é possível porque a empresa tem contas em diversos países, de modo que o dinheiro não sai de fato para o exterior. Assim, é usado o câmbio verdadeiro do dia e a transação é isenta de várias taxas do sistema tradicional.

Ant Financial

É uma fintech pertencente ao Grupo Alibaba, gigante chinês do comércio eletrônico. 

A empresa presta diversos serviços financeiros, como gestão patrimonial (wealth management), proteção ao crédito, banco, pagamentos e computação em nuvem.

É ela que administra o Alipay, maior serviço de pagamento online e mobile do mundo.

SoFi

A SoFi é uma fintech do Vale do Silício, nos Estados Unidos, que atua no mercado de empréstimos e gestão de patrimônio.

A companhia ajuda os usuários no refinanciamento de empréstimos (estudantil, imobiliário, pessoal, etc.) e também oferece seguro de vida.

Klarna

Esta fintech sueca surgiu desenvolvendo soluções online que tornam a compra e venda em canais digitais mais fácil. 

Atualmente, é um dos maiores bancos da Europa.

Diferença entre uma Fintech e uma Startup

Você deve ter notado que, ao longo deste texto, utilizamos muitas vezes a palavra startup, caracterizando as fintechs como startups da área financeira.

Convém, no entanto, esclarecer essa definição, pois o termo tem sido usado, muitas vezes, de maneira equivocada.

Uma das possíveis definições de Startup é: “uma empresa jovem e promissora, com potencial para rápido crescimento, mesmo quando não apresenta lucro nos estágios iniciais”.

É promissora porque desenvolve um produto ou serviço inovador, geralmente de base tecnológica – o que torna possível a escalabilidade e, portanto, o crescimento acelerado.

As principais fintechs do Brasil e do mundo surgem como startups, despertam a atenção de investidores, desenvolvem-se, ganham um grande público e se tornam empresas consolidadas.

É possível, no entanto, que alguma delas não se enquadrem nos critérios do que define uma startup. 

Para ser uma fintech, basta a uma empresa da área financeira ter um modelo de negócio que dependa do uso inovador da tecnologia.

Como as Fintechs Inovam

A tecnologia, por si só, não é inovadora. O primeiro insumo para uma empresa inovar, seja ela uma fintech ou qualquer outro tipo de startup, é a criatividade.

Assim, é preciso abandonar o conservadorismo e pensar fora da caixa – o que só é possível em organizações que têm uma cultura na qual os colaboradores se sentem à vontade para propor novas ideias.

As tecnologias são utilizadas para cumprir um propósito, transformar a criatividade em produtos ou serviços reais.

Geralmente, a inovação das fintechs se dá graças à automação, inteligência artificial e machine learning (aprendizado da máquina). São tecnologias que permitem a personalização e a maior agilidade no atendimento e dos serviços.

Mas também deve haver um cuidado muito especial com o design de UX (user experience, ou experiência do usuário) e com o UI (user interface), o que torna os aplicativos e plataformas online mais agradáveis, intuitivos e fáceis de usar.

Conclusão

Fintechs são empresas com matriz tecnológica que atuam nos mercados bancário e financeiro.

Há companhias desse tipo atuando em diversos segmentos, como:

  • Criptomoedas
  • Eficiência financeira
  • Crowdfunding
  • Gestão financeira
  • Pagamentos
  • Investimentos
  • Empréstimos
  • Negociação de dívidas.

Isso sem contar as chamadas insurtechs, que desenvolvem soluções inovadoras na área de seguros.

Seja qual for o segmento, o propósito é sempre oferecer uma experiência superior ao cliente, mais transparentes e ágeis do que os bancos e financeiras tradicionais – e com custo-benefício muito superior.

Quem experimenta uma fintech, geralmente, não quer mais voltar ao modelo antigo.

Quer saber mais sobre o universo das empresas de tecnologia inovadoras? Fique ligado em nosso blog.

Ficou com alguma dúvida ou tem uma sugestão sobre o assunto? Deixe um comentário abaixo ou entre em contato.